function click() { if (event.button==2||event.button==3) { oncontextmenu='return false'; } } document.onmousedown=click document.oncontextmenu = new Function("return false;")

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Velejante






Estou partindo
e deixo um coração
fragmentado e tão repleto
de remendos, fruto dos desprazeres
que este amor, a ele, legou.
Cada curativo e toda cicatriz,
simbolizam a relutância,
em te abandonar.
Corações assim marcados,
por agruras, e decepções, 
trazem a marca de uma solidão,
que sombreia o caminho
e subtrai a luz dos olhos de quem ama,
deixando uma escuridão glacial 
a acolher o coração e a alma.
Na busca de vaporizar este frio,
que obstaculiza os sentimentos,
singro os mares da paixão,
em busca de latitudes mais baixas,
tropicalizadas pelo caleidoscópio
humano, natural e profuso,
na esperança de te encontrar.

                                    J R Messias

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Torrente

Nesta busca consternada
desordeno as ideias,
transversas em metáforas,
criadas como exaustores 
de toda a agonia de meus sentimentos.

Amordaço minha dor,
algemo meu querer
em masmorrras
de eterna solidão
no infindo ápice 
dessa paixão cativa.

Na turbidez dessa turva fonte 
ou na aridez saariana  de meu viver
trafego em mágoas
que encharcam  de lágrimas
a insensatez existencial
dessa inóspita vida sem ti.


                 J R  Messias

Infinita


Como vortices absorvedores
de paixões discontínuas,
      os amores sugam o cotidiano  de meus caminhos
traindo meus instintos
a muito tempo desconexos
da doce realidade amorosa,
fugaz e efêmera, mas vital
para almas escoriadas
pelas chagas da solidão
que plantadas no íntimo
sangram a dor de uma ausência
contida, mas eternamente urgente
desejada e querida.

                                                                                                                              J R Messias

Cármico


Meus pensamentos por ela,
plasmam-se como se fossem etéreas valsas,
em que bailo com tua abstrata presença,
traduzida em um silêncio ausente e obscuro,
que poucas palavras e sentimentos, ousam traduzir.

O distante perigeu dessa tangência amorosa,
hoje guardo estiolado, na simetria quase perfeita
entre a dor e uma saudade, sibilante, mas inaudível
aos teus letárgicos sentimentos.

                                            J R Messias