function click() { if (event.button==2||event.button==3) { oncontextmenu='return false'; } } document.onmousedown=click document.oncontextmenu = new Function("return false;")

domingo, 22 de junho de 2014

Amor passageiro.

Ela é o que eu chamaria de amor passageiro, não só por que é fugaz e efêmero mas por que é um amor que pede passagem e paga a passagem.

Seu olhar e beleza, divido com uma coletividade, as vezes absorta e em outras, atenta as nossas sutis  demonstrações  de desejo, ao roçar de nossos corpos, a um  abraço mais ajustado, devido ao aperto nos  corredores lotados, numa demonstração urgente e tensa, de uma paixão temporária, diária e vespertina, onde dividimos na coletividade de tantos diferentes coletivos, aquilo que a pressa, a rotina e o estresse diário, retira de nossos desejos.


É pena que na fugacidade desse amor apertado, tenhamos, ou eu ou ela, que descermos na próxima parada de ônibus, pondo um fim a essa relação pra lá de passageira, mas pra cá de saborosa.

Ps.  Eu sempre esqueço de perguntar o nome dela....


                                   J. R. Messias



                                Imagens: google.

2 comentários:

  1. De tao passageira que nem deu tempo de perguntar .Como as paixoes nos dias correntes.
    Perfeito.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. As aventuras (mesmo as incompletas), são passageiras, incompletas e impessoais.
    Abração, Linda.

    ResponderExcluir