function click() { if (event.button==2||event.button==3) { oncontextmenu='return false'; } } document.onmousedown=click document.oncontextmenu = new Function("return false;")

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Sufrágio


Nas canções que escrevo,
onde expresso com desvelo
as vezes, dor e monotonia
e em outras, amor e alegria,
tento, no pragmatismo de minh'alma,
 encontra onde termina  a dor  e começa o amor.
Numa prévia de sentimentos,
coletados por toda uma vida,
a dor lidera, com folga atrevida
mas quando a alegria se instala
ela é clamorosamente  infinda.
Submeto, amor e dor
a um sufrágio sentimental,
um plebiscito entre duas emoções
distintas mas repletas de sensações,
cujo escrutínio espelhará o perfil
de sentimentos  relevantes que caibam
no momento de nossa existência,
quando a dor pode ser mais decisiva
ou quando o amor, de forma nada sutil,
nos arrasta de volta a vida.


J. R. Messias



                                                    Imagem : talubrinandoescritoschapadadoarapari.blogspot.com


6 comentários:

  1. Que vença a melhor, embora ambas são necessárias na vida.
    Muito bem pensado este plebiscito!
    Aproveito para pedir desculpas, fiz alterações nas próximas postagens, nesta série de textos voltados ao universo virtual, e acabei excluindo Conexão interrompida. Já voltei a postar.
    Bjão e até breve!

    ResponderExcluir
  2. Não vale votar nulo e nem em branco. Vi suas postagens informacionais
    e a temática é ampla e muito terás para explorar e poetizar.
    Abraços, Vall.

    ResponderExcluir
  3. Vejo este "amor que nos arrasta de volta a vida" , como a maior das compensações humanas!

    Uma beleza de encher os olhos e transbordar na alma, a tua poesia.

    Beijos, lindo poeta!

    ResponderExcluir
  4. Senti uma ponta (ponta? um novelo inteiro), de romantismo e saudosismo que começa a afetar o povo aí do Sul-Sudeste, quando começa a chegar o inverno, acertei? É a garantia de de comentários cada vez mais belos como este.
    Um beijo, linda Lu.
    Ps. Achou o desaparecido? Se ele for um poeta, bisbilhote uns sítios do ramo e procure por poemas com a marca dele e arrisque. Quem sabe ele não mudou de perfil e te segue secretamente. (neurose?, não, tudo é possível).

    ResponderExcluir
  5. Verdade! O inverno nos deixa mais saudosistas mesmo. E quanto a mim, confesso que sou irreversivelmente romântica o ano inteiro.rs

    PS: Não, meu amigo! Infelizmente não encontrei o desaparecido!
    Poeta, o amigo Viviani se dizia nao ser mas que é um grande contador de historia, isto ele é.
    Tudo é possível sim mas acho que se estivesse por aí, nao deixaria o blog dele abandonado e com tanta gente demostrando preocuoação, por lá. Será que ficaria escondido???. Mas sabe?O que desejo de verdade, é que ele ao menos esteja bem, entende? Pois ha pouco tempo, soube noticias de um outro amigo que sumiu da net porque esta impossibilitado de escrever em função de um terrivel AVC. Uma noticia que doeu pra caramba. A gente se apega à distância, não é mesmo? Conquistamos e somos conquistados ja que amizade nao necessita de olhos nos olhos. Só de coração e alma...Nossa! Hoje eu estou mesmo profunda,rsrs
    Á propósito, respondi desta vez, o teu comentario la no asas, viu?

    Muito obrigada pelo carinho de sempre, querido!

    Beijos com afeto.

    ResponderExcluir
  6. É verdade, Lu, AVC pode ser debilitante tê-lo atingido de forma cruel, é uma possibilidade concreta. Pode ser que uma fisioterapia, sei lá.
    Saudosismo, romantismo, são nossos combustíveis, para o bem ou para o mal, não há como fugir deles.
    Abraços, linda poetisa Lu.

    ResponderExcluir