function click() { if (event.button==2||event.button==3) { oncontextmenu='return false'; } } document.onmousedown=click document.oncontextmenu = new Function("return false;")

segunda-feira, 26 de maio de 2014

High way



A paixão  queima a alma, em um trajeto sinuoso de um amor incerto, repleto de desvios, cruzamentos e viadutos que dão a dosagem da extensão, dos desafios e dos solavancos a que os amores são submetidos.
Alguns são velozes e imprudentes e precipitam-se nos acostamentos  da solidão, danificados pelo excesso de pressa.
Outros, mais lentos, demoram a atingir o destino nos estacionamentos das paixões e acabam  sendo ultrapassados 
por outros, mais objetivos.




Outros, ainda, na dúvida e na incerteza de seu trajeto sentimental, busca vias alternativas, como forma de preencherem o vazio de suas contradições amorosas.
O amor, seja ele conduzido de forma lenta, veloz ou incerta, tem em todos estes modos, um elemento em comum, o destino líquido e certo de um sentimento verdadeiro que não tolera excesso de multas ou acidentes de percurso.  O risco da cassação da habilitação amorosa é quase certa. 


J. R. Messias


Imagens:andafter.org

4 comentários:

  1. Boa noite menino!
    Li no Facebook um texto semelhante ao seu. Nele o autor falava de medo.De como as pessoas por medo da solidão acabam pulando de relacionamento em relacionamento. De uma frustação a outra, por simplesmente não saber esperar, não apreciar a própria companhia.
    Já você usou a linguagem do trânsito. E voltando ao texto que citei acima: não é fácil ser adulto nem conduzir os sentimentos nas estradas do coração.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Seria também como viajar de carro por uma bela estrada e não observar a paisagem, não aproveitar os belos momentos que o amor oferece. Era pra ser um texto meio poético mas acabou virando esta prosa.
    Grato pela visita menina Vall.

    ResponderExcluir
  3. Uma prosa sagaz e muito agradável, parabéns Messias!
    Perdoe-me a ausência, o tempo anda curto por aqui...

    Um abraço, fica bem.

    ResponderExcluir
  4. Só em saber que em seu curto tempo, tu dedicas este momento para vir aqui, sinto-me lisonjeado, Lu. Foi uma prosa para brincar com as formas de amar.
    Beijos, Lu e venha quando quiser.

    ResponderExcluir