function click() { if (event.button==2||event.button==3) { oncontextmenu='return false'; } } document.onmousedown=click document.oncontextmenu = new Function("return false;")

domingo, 18 de maio de 2014

Croquis



Fiz desse desejo, um esboço
onde esquadrinhei me metódico amor
tracei juras e plotei minhas ilusões
de um coração ainda moço.
Para isso, usei a escala apropriada,
nem grande e nem pequena, 
para que coubesse no coração,
todo o tamanho deste carinho
calculado pela emoção.
Mensurei, calculei, tracei e medi,
como se um sentimento,
pudesse ser planejado,
como se o amor,
pudesse ser quantificado
e como se a paixão,
pudesse ser delimitada,
débil sonho de quem, do amor,
foi deserdado.


J. R. Messias


Imagem: autonomies.org

6 comentários:

  1. Magnifico caro J.R, o amor transcede nossa condição humana, talvez daí venha esta vontade louca de o mensurar, quantificar, classificar...
    Ah... também tenho te lido lá no Refúgio das Origens, parabéns a todos e todas que fazem aquela casa.
    Abraços da Vall Nunnes

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo carinho de sempre, Vall e concordo contigo, supomos, imaginamos e idealizamos amores perfeitos, infindáveis etc. Somos eternos apaixonados incorrigíveis. O povo do R.O., como dizem (não sei se ainda usam estas expressões), é porreta e massa. É um pessoal que tratam a poesia e a prosa com muito carinho.
    Grato pela visita, poetisa Vall.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Messias.

    Muito lindo labor meu amigo, acho que somos todos assim, tentamos justificar, quantificar os sentimentos... Esse sentir-se deserdado do amor, ficou belíssimo e profundamente instigante, amei, parabéns!

    Um abraço com carinho e respeito, lu.

    ResponderExcluir
  4. É por isso que a gente sofre aos montes, né Lu? Fazer o que ? Seres emotivos são assim mesmo.
    Grato pelo carinho de sempre, Lu.

    ResponderExcluir
  5. Olá Messias!
    Andei por aqui a ler os poemas que falam de amor...e gostei! Achei graça a essa forma de ter medir os sentimentos. Um abraço de Portugal.

    ResponderExcluir
  6. Oi Emília. Que bom que meus amorosos poemas lhe agradaram. Quanto a "medir" sentimentos, são coisa que só nossa riquíssima língua permite, sem antes, é claro, pedir autorização a Camões para criar tais sandices.
    Uma boa noite e abraços de além mar, Emília e grato pela visita.

    ResponderExcluir