function click() { if (event.button==2||event.button==3) { oncontextmenu='return false'; } } document.onmousedown=click document.oncontextmenu = new Function("return false;")

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Afago




Nesta intacta saudade de ti
teço indecifráveis sinais
que em desalinho, delineiam 
as marcas desta paixão, sufocada 
no desejo de fruir teu ser para aplacar
a sede que tenho de ti e assim
umedecer  a aridez de tua ausência.
Faço desse teu corpo, o mapa
onde esquadrinho rotas desse amor
                                     onde perdi meu norte                                      e onde busco o aporte
para retirar meu destino
das rigidez pétrea dessa dor.


                             J. R. Messias



Imagem: Google

10 comentários:

  1. Nossa que lindo!
    Um sangrar poético de infinita beleza.
    *Tenho a mania (doce, rsrs) de ler os poemas como me apresentam e depois de baixo pra cima, da ultima oração de verso, até a primeira, e, não sei se fez propositalmente, mas, ficou estupendo tbm...
    Impecável o teu labor Messias, parabéns!

    *Hum, me disse antes que teu blog é aberto, o que torna fácil as cópias, se quiser, tenho um script anti-cópia... Não é 100% seguro, mas, ao menos dificulta, caso tenha interesse é só me dizer que te passo, é muito leve e fácil de instalar, te explico caso queria...

    Parabéns mesmo pela construção, li e reli várias vezes, e, saio encantada daqui.

    Boa noite...

    ResponderExcluir
  2. Gosto desse teu jeito comunicativo, prazeroso, simpático, prestativo, solidário, enfim, coisa rara de se ver na Web. Em outros espaços poéticos que eu tinha (já deletados há algum tempo), costumava receber os comentários, aos quais respondia e, raramente recebia uma tréplica. Contigo, é o contrário, é tréplica, quádrupla, quíntupla...é bom partilhar ideias com alguém que divide contigo, o amor pelas letras, versos e principalmente pela nossa amada língua portuguesa. Sinto-me sinceramente privilegiado por conhecer um ser humano como você.
    Fiquei curioso com teu método de ler de trás pra frente os versos e se ficou "estupendo" (agradeço o carinho), foi sem querer. Essa é daquelas poesias que aparecem do nada (uma amiga poetisa, também, disse que isso é meio espiritual, será?) na tua mente e fui escrevendo, corrigindo umas discrepâncias e saiu esta poesia. Vou começar a usar esta tua técnica curiosa.
    Quanto a este negócio de script anti-cópia, terei o maior prazer de saber como instalá-lo no blog, pra deixá-lo com cara profissional.
    E pra concluir, minha eterna gratidão a tua sempre terna e carinhosa visita.
    Um abraço e um bom sábado, Lu. (posso chamá-la de Lu?)

    ResponderExcluir
  3. Ah obrigada pelas palavras Messias, sou assim mesmo, no que eu posso ajudar, faço com gosto, acho que a vida fica mais bonita e leve assim, também recebo ajuda...
    Gosto de me comunicar com pessoas sensíveis, que sabem nos respeitar, enfim...
    Quanto ao meu modo de leitura, descobri várias pérolas assim, alguns amigos riem, mas, amo (pena que a maioria dos meus poemas não aceitem bem essa leitura) mas, esse teu ficou demais...

    Hum, ontem esqueci de te dizer, uma obra não precisa necessariamente ter registro no EDA, se ela estiver publicada em algum lugar público com data, isso já é ferramenta para prova de autoria.
    Eu registrava em cartório, porém fica bem mais caro, então eu reúno uma certa quantidade e mando tudo de uma vez pro EDA.
    Chato né? Ter que haver registro ou qualquer preocupação do tipo, porque geralmente quem copia, diz gostar de literatura, então, se gosta, como não respeita?
    Bom, é isso, faltou dizer ontem quando abordamos esse tema.

    Tentei colar o script aqui no comentário e não consegui, vou tentar no teu perfil então, espero conseguir...

    Bom final de semana, Lu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom que somente uma postagem pública já seja suficiente em termos legais, grato pelo toque. Quanto ao roubo de sua obra, acho que haver esse cuidado pois imagine alguém ficando famoso e ganhando dinheiro com tua obra, com tua sensibilidade ? nem pensar!
      Quanto a questão do script, meu filho (que entende mais que eu desse negócio de computador), disse que fez uma pesquisa e descobriu esses negócios de proteção aos blogs. Vou ver amanhã se esse negócio funciona, mas gostaria, sim de receber sua sugestão de script e meu e-mail é jrmessi@gmail.com.
      Grato pela atenção, cara poetisa Lu. (posso chamá-la de Lu?)
      Um abraço.

      Excluir
  4. Ah que pena, não tem como te mandar pelo contato tbm, então se puder, me dê teu e-mail que te envio por ele.

    Aqui no comentário não aceitam tags :(

    Bom, aguardo resposta, abraço, Lu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens meu e-mail para que possa remetê-lo e considere-se em eterno crédito comigo.
      Um abração, Lu (de novo, posso tratá-la de Lu?)

      Excluir
    2. rsrs... Boa noite Messias, pode sim me chamar de Lu.

      Vou te enviar então o script, espero que dê certo, qualquer dúvida me diz.

      *quanto a roubo(frustrado) de minha obra, francamente, poesia nunca me deu dinheiro algum, muito menos fama (só a de triste, rsrs...) é que cada poema meu é parido mesmo, de muitos sentimentos, então, quero que sejam respeitados.

      Abraço, fica tranquilo, não precisa agradecer por nada não.

      Boa noite, Lu.

      Excluir
  5. Ainda bem que teus poemas "te deram a fama de triste", isto é, acho que não é só de tristeza (acho não, tenho certeza), que se compõe, primeiro, pela bela filha que tem (totalmente a cara da mãe) e pelo sorriso de seu perfil, que apesar de ser um "sorriso lacônico", esconde um certo prazer e orgulho de ser o que é de viver a compor tão belas linhas poéticas. Não preciso dizer que se não fossem as poesias e seu seu amor maternal, aí sim, poderia concordar com "sua fama de triste".
    Abraço, poetisa Lu.

    ResponderExcluir
  6. ah obrigada...

    o que acontece é muitos nos julgam usando critérios e visão limitada, isso já não me incomoda mais, tanto, que escrevo mesmo sobre tristezas sem medo algum...

    Obrigada pelo carinho e discernimento, abraço, Lu.

    ResponderExcluir
  7. Percebi isso quando disseram que eu escrevia de forma hermética e muito personalista. Tentei escrever mais levemente mas não é legal para pessoas que guardam tantas lágrimas e sofrimentos que precisam ser extrapoladas.
    Escrever sobre a tristeza, não indica que somos tristes mas sim, que somos capazes de exorcizar de nós, tudo o que nos incomoda e nisso tu és mestra.
    Um abraço.

    ResponderExcluir