function click() { if (event.button==2||event.button==3) { oncontextmenu='return false'; } } document.onmousedown=click document.oncontextmenu = new Function("return false;")

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Hiato amoroso


Minha solidão e carência
diluem-se na forma e conteúdo
por causa de tua presença,
totêmica, flagrante e instigante,
terminologias que descrevo, 
copioso e indolentemente
nas entrelinhas dessa saudade 
encarcerada pelo tempo 
nessa demanda tão infinita
quanto a vastidão de tua ausência
travestida pelo desprezo desdenhoso
de teu solene egoísmo,
que solapa toda a saudade 
que estoico, guardo ainda 
em meu apaixonado coração
que de ti nunca há de esquecer 
por maior que seja tua ingratidão.


                           J. R. Messias


Fonte: https://lh3.googleusercontent.com/-Eia95QfBPgA/T2ZYJ_3twYI/AAAAAAAAEX8/8ZYx0yat_6w/w105-h140-p/DSC02599.JPG

7 comentários:

  1. Boa noite Solidariedade. Lindo demais esse poema, amei poder mergulhar nas linhas dele, obrigada.

    ps.: queria perguntar algo, no comentário deixado em meu poema "vias de fato" mencionou Pessoa, suas palavras: ...Belíssimo jogo de palavras com o Pessoa...
    Refere-se a Fernando Pessoa? Se for, por que? Perdão mas não entendi.

    Obrigada e perdoe-me a falta de interpretação.
    Abraço, Lu.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Solidariedade.

    Agora, mais descansada, acho que me caiu a ficha, corrija-me se eu estiver errada por favor...

    Você fez menção do poema AUTOPSICOGRAFIA de Fernando Pessoa?

    Bom, a menção de que todo poeta é triste, veio daí sim, mas, acredito que o poema trata-se de outro assunto, falo da dor real, e do alívio que a poesia me traz.

    Perdoe-me, mas morro de medo de plágios, então fiquei preocupada mesmo, vou colocar o poema de Pessoa lá, mas, se por acaso for outro, por favor me diga, não conheço muito de Pessoa, o que é uma grande falta minha.

    Bom, é isso, perdoe-me a insistência, mas é que pra mim, isso é deveras importante.

    Obrigada pela atenção, e, por favor, corrija-me mesmo se eu estiver errada.

    Att e grata, Lu.

    ResponderExcluir
  3. Completamente correta, Lu. E eu não quis me referir a plágio algum (se bem que plagiar o mestre Pessoa é o máximo, Lu). Eu quis compará-la, sim, a qualidade e inteligência como Pessoa escrevia e seu poema fez-me lembrar imediatamente dele.
    Não tem que perdoar nada, Lu, fizestes um belo poema a "la Pessoa" e isso nunca chamaria de plágio, mas de competência.

    Um abraço, Lu

    Ps. Em vez de Solidariedade, pode me chamar pelo meu sobrenome, Messias, ok.
    Outro abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah muito obrigada Messias.
      Eu havia me esquecido a autoria do verso "todo poeta é triste" e como o poema já estava há muito tempo editado, nem dei atenção (o que foi um erro) gosto de colocar a menção quando parafraseio, falhei, mas graças a Deus você me ajudou, obrigada.
      Morro de medo de plágio, essa semana mesmo vi um poema meu com outra autoria e isso me feriu pra caramba (porque ao tentar o diálogo, vi que houve maldade mesmo no ato) mas, muito pior seria se eu estivesse feito isso, não me perdoaria! Na hora que me veio, fiquei confusa, um pouco ainda reflexo das mágoas pelo poema "que me foi tirado das mãos" junto a um cansaço e a culpa por não ter citado Pessoa, sou muito exigente comigo, e nessa hora me passei.

      Mas, você acabou em ajudando muito, enfim, obrigada mesmo Messias.

      Excluir
  4. De nada, Lu. Tu deves saber que é possível registrar teus poemas pela Biblioteca Nacional e receber um documento oficial para garantir tua autoria? Acho que já deves ter feito, se não o fez, que tal tentar? Eu não fiz por que meu blog é aberto e já deve ter sido "canibalizado" (risos).
    Sinto muito pelo roubo de teu trabalho intelectual. Não custava nada o cara ter publicado teu verso (mesmo sem autorização), mas que pelo menos, desse crédito a ti. Seria menos "desonesto". Enfim, só os bons, digo, as boas poetisas são vítimas dessas más pessoas.
    Abraço, Lu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Messias, todas as minhas obras possuem registro, por isso não durou muito tempo a farsa da "poetisa"
      Mas não foi um verso só, foi quase a poesia toda, ela tirou 4 orações minhas e acrescentou 4 dela, o resto era enxerto descarado.
      Alguns leitores identificaram rapidamente e me avisaram...
      Tentei amigavelmente, mas, como ela se negou fiz a denuncia, e foi fácil demais provar que era meu o poema, só que, tudo isso foi extremamente chato e doloroso pra mim, um dia todo só correndo atrás dos direitos que são meus, e quem os violou, se diz poetisa e educadora.
      Mas, passou, esgotou-me temporariamente, mas, bola pra frente.
      Obrigada pelo carinho, abraço...

      Excluir
  5. Ainda bem que tudo deu certo. E essa "educadora" deve ensinar, sim, métodos (grosseiros, pelo jeito) de trapacear sobre o direito autoral dos outros.
    Parabéns pela atitude. Um abraço.

    ResponderExcluir